domingo, 2 de outubro de 2011

Alguém ama o Blaine, e não é só o Kurt

Meu blog tá entregue às moscas, mas resolvi atualizar após ler o texto abaixo em outro blog. Acho importante que uma história assim seja repassada:

"Meu filho mais velho tem seis anos e se apaixonou pela primeira vez. Ele está apaixonado por Blaine de Glee. Para aqueles que não sabem, Blaine é um menino... um menino gay, o namorado de uma das personagens principais, o Kurt. Este não é um "ele acha que Blaine é muito legal" tipo de gostar. É um gostar em que ele segura a foto do rosto de Blaine por meia hora, olhando e suspirando para em seguida soltar de forma melancólica "Ele é tão bonito"... Ele ama o episódio em que dois meninos se beijam. E sai correndo para chamar as visitas para que eles não percam a sua parte favorita.
Outro dia estávamos viajando por todo o estado escutando o álbum de Glee (é claro), ao que meu filhote fala no banco de trás:
-Mamãe, Kurt e Blaine são namorados.
-Sim, eles são.
-Eles não gostam de meninas se beijando. Eles só beijam meninos.
-Isso é verdade.
-Mamãe, eles são como eu.
-Isso é ótimo, baby. Você sabe que eu amo você de qualquer jeito!
-Eu sei...
Eu pude vê-lo revirando os olhos para mim. Quando chegamos em casa eu recapitulei a conversa com meu marido, e ficamos apenas olhando para os olhos um do outro por um momento. Então sorrimos. "Então, se com 16 anos ele quiser fazer um grande anúncio na mesa de jantar, podemos dizer 'bobo, você já nos contou quando tinha seis anos. Agora, passe a cenoura.' Ele vai ficar desapontado porque roubamos seu grande momento dramático", palavras do meu marido que disse isso com uma risada e me abraçou. Só o tempo dirá se o meu filho é gay, mas caso seja, eu estarei feliz porque ele é meu. Estou feliz que ele tenha nascido em nossa família. Uma família cheia de pessoas que vão amá-lo e aceitá-lo. Pessoas que nunca vão querer mudá-lo. Com os pais que vão olhar para a frente a dançar no seu casamento. E eu tenho que admitir, Blaine seria um genro realmente bonito."

Dias depois à repercussão deste texto, a mãe fez outra postagem:

"Nós realmente não somos os melhores pais do mundo. Obrigado, mas realmente não somos. Estamos apenas tentando fazer o nosso melhor e esperando não estragar tudo. E para todas aquelas crianças que se encontram em dificuldades. Queríamos muito poder adotar vocês, mas nossa casa simplesmente não poderia suportar tantas pessoas juntas! Mas, falando sério, todos vocês, por favor, sei que existem literalmente 100 milhões de pessoas no mundo dispostos a aceitá-lo da forma que você é. É muito difícil que uma criança ou um adolescente tenha que lidar com toda essa rejeição. Por favor, saibam que o mundo está mudando. Eu queria que essa mudança fosse mais rápida e todos nós precisamos fazer parte dessa mudança!
Mas nesse meio tempo, por favor, existem lugares que podem te ajudar, acessem:
http://www.itgetsbetter.org/
http://www.thetrevorproject.org
Todo nosso amor vai chegar até vocês!"

Essa é mãe é americana, e em seus posts seguintes demonstra incredulidade. Como podem parabenizá-la por estar fazendo o papel mais básico de uma mãe? Amar seu filho. Seguem-se noites em claro, tentando apoiar as milhares de crianças e adolescentes que enviam mensagens pedindo um pouco de sua atenção e amor, mas ela é uma só.
Que mundo é esse em que o amor de uma mãe tornou-se algo tão surpreendente?

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Esta é uma nova postagem do meu blog

...o meu blog que está abandonado, porque prefiro falar quando tenho realmente o que dizer. Bethânia me ensinou que a palavra é algo belo e que deve ser valorizado, não desperdiçado com qualquer coisa. Pena que sou um péssimo aluno viciado em prolixidade. Mas me curo disso.
Quem sabe agora?

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Repercussão vol.II

Quase caio quando vejo o GLOSSário na capa do Mix Brasil:


sábado, 28 de agosto de 2010

Repercussão

Não sei se estamos mesmo fazendo sucesso, mas os números estão me surpreendendo: 1.179 visualizações em menos de três dias! Alguma coisa isso tem que querer dizer. Se não, pelo menos o fato de Valenttini ter dado os parabéns e Paola Opala ter feito postagem extra já valem o orgulho de ter feito! Falta saber o que a(s) fonte(s) inspiradora(s) acham...
Ansiedade
Para os meus ausentes leitores que não sabem do que estou falando, é só dar o plêi no vídeo da postagem daí de baixo...

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

GLOSSário

E eis que, finalmente, joguei no YouTube o primeiro vídeo que produzi. Sem mais delongas, pois tudo se explica nele. Aperte o plêi:

domingo, 15 de agosto de 2010

Campanha

Desde meus 17 anos tenho vontade de ter um cachorrinho. Mas é cachorrINHO mesmo, pequenininho, bravinho, abestadozinho, amiguinho... pois amo cães pequenininhos. De preferência da raça Pincher n°0.
Por esta razão estou lançando a campanha: UM CACHORRINHO PARA O FABINHO.
Quem quiser participar tem até o dia 31 de outubro para juntar a galera e conseguir (seja comprando ou adotando) um cachorrinho pequenininho para me dar de presente.
E antes que alguém pergunte, dia 31 de outubro é meu aniversário! E é nesse dia que merecemos ganhar presentes.
Sim, eu poderia comprar ou adotar um por minha conta, mas acho que certas coisas tem mais graça, e sentimento, quando são presenteadas.
Ah, sem querer exigir demais, mas NÃO cortem o rabo do bichinho. Tô nem aí se esteticamente é mais bonito, mas o rabo faz parte dele, deixe-o com rabo! (Já pensou se virasse moda mulher de um peito e as loucas saíssem por aí fazendo mastectomia em casa?)
Bem, é isso, espero ter amigos legais o suficiente para realizar meu longínquo sonho adolescente. (Dramei e rimei)

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Do limbo do mau gosto: elas querem dominar o mundo

...mas o máximo que podem conseguir é se destacar na própria rua. Ou, se tiverem sorte, e com muita insistência, serem consideradas pura expressão popular como Lucas (aham) Celebridade.
Ainda filosofando sobre a tendência pouco aquisitiva de aproveitar a máquina de tirar retrato que a colega vizinha esqueceu (e comprou em largas prestações), fico a me perguntar o que faz um cerumano a fazer isso:
Se a fia queria pagar de Harry Potter, com essa carinha e virada de pescoço, vão é dizer que tudo foi desculpa para se entregar voando em um pau.

Digo é muito pras minhas amiga: se você é fraca de fisionomia, não exagere. Em nada! Nem no pó, nem no batom, e nem na sensualidade:
Mas você tá nem aí, é franca e curte um sou como sou. Então, capriche na texturização, faça a sobrancelha beeem feminina, se enrole numa toalha, molhe os cabelos para fazer de conta que acabou de sair do banho de sais, faça carão de ai que susto e se autofotografe de frente ao espelho. Tendência:
E, para finalizar tanto glamour em originalidade, tava faltando o quê? A pose com sensualidade de uma avestruz com cortina de flores 70's de fundo:
Sem fazer o truque, que é pra ficar masculino

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Irmã Lina, Irmã Léa e a Lógica

Irmã Léa e Irmã Lina saíram do convento para vender biscoitos de polvilho. Ao anoitecer, as duas religiosas deram-se por satisfeitas e resolveram voltar para o convento. Após virar a terceira esquina, Irmã Lina, sempre esperta, notou:
-Há um homem nos seguindo
-Nossa, o que será que ele quer?
-É lógico que ele quer nos estuprar!
-Oh, não! Se continuarmos neste ritmo ele vai nos alcançar. O que vamos fazer?
-É lógico que vamos andar mais rápido
Cinco minutos depois, Irmã Léa preocupa-se:
-Não está funcionando...
-É lógico: ele também começou a andar mais rápido
-E agora, o que devemos fazer? Já já ele nos alcança!
-É lógico que o que nos resta a fazer é nos separar. Vá por aquele lado, Léa, que vou pelo outro. É lógico que ele não poderá seguir nós duas ao mesmo tempo...
Eis que o homem decide seguir Irmã Lina que, lógico, demorou mais tempo a chegar no convento, deixando Irmã Léa aflita:
-Irmã Lina, graças à Deus você chegou! Está tudo bem? Me conte o que aconteceu!
-É lógico que o homem não podia seguir nós duas, então optou por me seguir...
-Ai meu Deus, e aí?!
-É lógico que corri o mais rápido que pude... e é lógico que ele passou também a correr o mais rápido que podia...
-E então? E então?
-É lógico que ele me alcançou
Em tom de tragédia, Irmã Léa pergunta:
-Oh, meu Deus, e o que aconteceu?!!
-É lógico que levantei meu hábito
E Irmã Léa entrega-se ao desespero convulsivo:
-Oh, Irmã Lina! Não me diga que...
-Digo: é lógico que ele abaixou as calças
-Oh, não!! E...
-Não é lógico, Irmã Léa? Uma freira com o hábito levantado consegue correr bem mais rápido do que um homem com as calças arreadas...
E tu jurando que eu tinha dado, né safadeenho?!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Contraste

E eis que comecei minha segunda semana de recenseador doente. Segunda e terça uma febre quis me atacar, mas fiquei só na moleza, e hoje amanheci com a grave sensação de que algo que comi ontem repercutiu hoje... se é que alguém me entende. Mas lá fui eu pegar meus dois oins rumo à lesteoeste viver mais uma tarde de "experiências". Chega a ser chocante sair de uma casa onde moram três pessoas e o rendimento mensal médio é de seis salários mínimos e entrar na residência vizinha, parede com parede, onde treze pessoas se bancam às custas de um salário, outros cemzinhos de bicos em geral (feitos por qualquer um da casa), mais trinta reais do Bolsa Família. Nessas horas tenho que fazer minha cara de atendente de telemarketing (gélida como a Sibéria) e fingir que nada me abala. Pior é que três casas depois você já tem esquecido da casa dos treze, pois você tem que seguir adiante, ou encontrou situação pior. À muitos recenseados digo meu mantra: "nós do IBGE fazemos nossa parte, que é colher os dados, e esperamos que os governantes façam a parte deles, que é fazer bom uso desses mesmos dados em favor da população". Sim, cinicamente eu digo isso. Não, ninguém me instruiu a fazê-lo. Digo para dar alguma esperança, ou para convencer os desconfiados a coolaborar, ou para acreditar que meu trabalho vai mesmo servir para alguma coisa além de aumentar temporariamente minha renda.
Mas não encontrei tantas tristezas, apesar do que este texto pode sugerir. A pobreza e a dificuldade existem. Mas sempre as pessoas encontram razões para sorrir, como abrir a porta de casa todos os dias e olhar para isto:
Foto feita por mim ao final desta tarde, quando esperava a condução para voltar pra casa